JUL/AGO de 2021

 

É melhor dar do que receber

Queridos irmãos,
Graça e paz!

Enquanto Omar, um sudanês de Darfur, narrava a sua experiência de fuga da zona de guerra, sua esposa preparava a mesa. Embora estivesse atento ao relato de Omar, percebi quando Halima pôs sobre a mesa dois copos com suco de hibisco e um prato com tâmaras. Se a intenção dela era agradar o convidado, Halima conseguiu. Além de eu apreciar suco de hibisco, tâmara está entre as minhas frutas prediletas, daqui da região. Minutos depois, Halima retornou da cozinha e serviu o jantar. A comida era um prato típico sudanês que leva o nome de assida. Basicamente, é uma massa de farinha de trigo cozida apenas em água e acompanhada de um molho que leva tomate, quiabo e carne de cordeiro, além de temperos.

Omar e Halima são meus alunos de inglês e estão sem um trabalho fixo há meses. Na tentativa de gerar renda, Halima tem feito costuras para vender. A sua produção reflete o aprendizado adquirido nas aulas de corte e costura que ela frequenta no centro de desenvolvimento comunitário em que atuamos. Omar sai todos os dias à procura de alguma atividade remunerada, mas, com frequência, volta para casa frustrado. Ele ficou desempregado após uma operação da polícia de imigração, no mercado em que trabalhava. Os policiais levaram vários sudaneses detidos e advertiram os demais sobre o risco de serem presos se forem pegos novamente trabalhando. Lamentavelmente, as leis locais impedem os refugiados sudaneses de trabalhar, obrigando-os a viverem de uma suposta ajuda humanitária, que, muitas vezes, não chega. São mais de cinco mil pessoas nessa situação, considerando apenas os refugiados sudaneses.

Naquela visita, Omar e Halima provavelmente puseram à mesa a melhor comida que tinham para oferecer. A generosidade do povo sudanês é algo que causa admiração. Até mesmo os que vivem na condição de refugiados demonstram constante liberalidade. Sentado ao redor daquela mesa de comunhão e admirando o comportamento do casal sudanês, lembrei-me das palavras do Senhor: “Mais bem-aventurado é dar que receber” (Atos 20.35).  Após a refeição, antes de me despedir, orei com Omar e Halima. Durante a oração, supliquei por provisão diária, filhos e uma oportunidade de reassentamento para eles. Pedi ainda que, por meio do evangelho, o Senhor nos faça parte da mesma comunidade de fé a fim de celebrarmos juntos o amor, a graça e a reconciliação que somente a cruz de Cristo pode proporcionar.

Com a suspensão das aulas presenciais em função da pandemia, estamos buscando outras formas de interagir com os nossos amigos refugiados. Uma delas tem sido por meio de visitas aos seus lares. Nessas visitas, surgem oportunidades de conhecê-los melhor, testemunhar e orar com eles. Pelo fato de jamais terem tido contato com o evangelho, com frequência, eles expressam curiosidade a respeito da nossa fé. Assim, surgem uma série de perguntas: “Quando vocês vão à igreja? O que a Bíblia ensina? Quem é Jesus?”

Em nossa pesquisa de campo e estudos da cultura, identificamos cinco temas-chave para uma abordagem do evangelho aos refugiados sudaneses residentes aqui. São eles: discriminação, guerra, deslocamento, sofrimento e trauma. Em nossa interação com os sudaneses, percebemos que mencionar qualquer um desses temas faz com que eles parem o que estão fazendo e engajem na conversa. Queremos usar esses temas para apresentar verdades espirituais ao povo, seguindo o exemplo de Jesus, que utilizou uma conversa sobre água para ensinar sobre vida eterna para a mulher samaritana (João 4.1-42). Por favor, peçam a Deus que nos dê sabedoria na exposição do evangelho por meio desses temas.
       
Quando chegamos aqui, compramos um veículo 2009, que nos serviu bastante, principalmente nos períodos de inverno. Contudo, recentemente, ele começou a nos deixar a pé e a gerar muita despesa com consertos. No mês passado, mediante a ocorrência de dois problemas mecânicos onerosos, entendemos que era momento de vender o veículo. Felizmente, conseguimos efetuar a venda e estamos à procura de um novo carro. Por favor, intercedam para que possamos fazer uma boa escolha e que o Senhor envie os recursos necessários para essa aquisição.

Ao prosseguirmos em nossa jornada, que o Senhor nos use como sal e luz na vida daqueles que vamos encontrando pelo caminho. Que a graça divina ilumine o seu entendimento e que eles experimentem a vida em abundância que somente o Cristo ressurreto pode oferecer.

No Senhor,

Família Oliveira

Faça parte desta obra

A manutenção do nosso projeto missionário se dá por meio da contribuição voluntária de igrejas e pessoas físicas que amam a obra missionária.

Se o Senhor falar ao seu coração e você desejar investir em missões por meio das nossas vidas, por favor, entre em contato conosco e forneceremos todas as informações para que você seja um mantenedor do nosso ministério. Sua participação em nossa jornada será fundamental para continuarmos prosseguindo.

Você também pode participar de forma pontual, enviando-nos uma oferta especial através de uma das nossas contas bancárias:

Bradesco
Conta Poupança
Agência 0582-7
Conta 1008127-0

Banco do Brasil
Conta Corrente
Agência 1579-2
Conta 16946-3

PIX
Você também pode enviar a sua contribuição capturando a imagem do QR Code e colando o código de pagamento no seu ambiente PIX ou usando a seguinte chave PIX: Celular: +55 21 97187-1143.